Instituições públicas e privadas trabalharão em conjunto para resolver desafios da área tecnológica

Revista Ensino Superior • 06 de setembro de 2019

Conexão com sete países ibero-americanos também está prevista no programa que aposta na colaboração

A área de tecnologia se tornou uma das mais importantes dentro das organizações, pois, juntamente com os avanços, surgiram também muitos desafios. Nas instituições de ensino superior, a situação é bem parecida. Os riscos de ataques cibernéticos também preocupam os gestores de TI, bem como a necessidade de adequação às novas regras. As particularidades do setor são as tecnologias educacionais, que em muitos casos são subutilizadas.

Para melhorar a gestão dessa área no setor educacional e propiciar seu desenvolvimento, a Universia, ligada ao banco Santander, criou o projeto colaborativo MetaRed. A iniciativa já foi implantada em sete países ibero-americanos (Chile, Argentina, Colômbia, Espanha, Peru, México e Portugal) e agora chega ao Brasil sob a liderança de Hermes Ferreira Figueiredo, presidente do Semesp e diretor-presidente da Cruzeiro do Sul Educacional. Ele foi convidado pelo banco espanhol para presidir a rede brasileira, que também terá Fábio Reis, diretor de Inovação e Redes de Cooperação do Semesp, como coordenador-geral.

De acordo com Anderson Pereira, diretor-geral da Universia Brasil, a ideia da MetaRed nasceu durante o IV Encontro Internacional de Reitores Universia, realizado em 2018 com a presença de 700 reitores pertencentes a 26 países. Em comum, eles ressaltaram o potencial da tecnologia para transformar os modelos educativo e administrativo das IES. E em vez de trabalharem sozinhas nessa exploração, elas começaram a atuar em conjunto.

Nas redes já constituídas, as instituições realizam debates (presenciais e online) e compartilham informações sobre provedores de tecnologia, fazem pesquisas, publicam papers, entre outras atividades, explica Pereira.

E, embora cada país tenha sua própria rede, elas estão interligadas. Há um calendário repleto de encontros presenciais e virtuais já previstos. O próximo encontro presencial acontecerá em outubro, em Bogotá (Colômbia).

A MetaRed prevê ainda ações de formação. Entre outubro de 2019 e junho de 2020, será realizado um curso internacional online para diretores de informática (CIO) de IES. O objetivo é atualizar e estender os conhecimentos desses profissionais em temas como gestão de projetos de TI, transformação digital e tecnologias educativas.


Cooperação de olho na tecnologia (foto: Shuttertock)

Rede brasileira

A MetaRed Brasil está em formação neste momento; seu lançamento está previsto para outubro. Até lá, espera-se juntar dezenas de instituições públicas e privadas em quatro subgrupos. São eles: Cibersegurança; Análises, Indicadores e Governança TI; Tecnologias educacionais; e Relação com provedores.

De acordo com Fábio Reis, o projeto é muito positivo, pois existe a perspectiva de troca de informações valiosas entre instituições de diferen-
tes portes e países. “A questão da segurança se tornou fundamental com o aumento dos ataques cibernéticos. Há também uma grande necessidade de adaptação às normas vigentes, como à Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais”, conta. “Em tecnologias educacionais, existe a dificuldade para acompanhar as mudanças. Esse grupo de trabalho terá de atuar muito sintonizado com as novidades. Quanto à gestão de TI, o desafio é tornar essa área mais estratégica”, diz.

Em conjunto, as IES também buscarão melhorar o relacionamento com os fornecedores, inclusive do ponto de vista contratual. Assim como acontece das Redes de Cooperação do Semesp, as instituições poderão se unir na contratação de produtos e serviços a fim de baixar seu custo.

“As expectativas são muito positivas. Para nós, do Semesp, é uma grande satisfação participar da condução do projeto, pois isso é um reconhecimento do trabalho que estamos fazendo com as Redes de Cooperação”, finaliza Reis.

As urgências e os desafios

O projeto MetaRed Brasil prevê a criação de quatro grupos de trabalho, cada um deles sobre um tema específico. Confira as ações que poderão ser realizadas em cada um deles:

Cibersegurança

• Coordenar, difundir e promover atividades, boas
práticas e ferramentas para a gestão da segurança;

• Elaborar recomendações comuns para o
cumprimento das normativas relacionadas à
segurança da informação;

• Conscientizar a comunidade acadêmica sobre
o tema da segurança das informações;

• Criar um corpo de especialistas no tema em
cada IES;

• Compartilhamento de ameaças e alertas de
risco à segurança da informação.

Análises, Indicadores e Governança TI

• Definir quais indicadores deverão ser analisados

para mapear o uso de tecnologias de
informação e comunicação nas IES brasileiras;

• Difundir e conscientizar as IES, especialmente
as equipes ligadas à reitoria, sobre a
importância estratégica da TI;

• Elevar o papel das tecnologias de informação
e comunicação nas IES;

• Melhorar a formação dos profissionais que
atuam na área.

Tecnologias educacionais

• Mapeamento das novas tecnologias de ensino
e aprendizagem adotadas nas instituições
de ensino superior;

• Desenvolvimento de cursos de formação em
tecnologias educacionais para professores
e equipes técnicas;

• Realização de estudos sobre as competências
digitais tanto das instituições como de
seus professores e alunos;

• Avaliação de empresas e produtos desenvolvidos
para o ensino superior;

• Divulgação de boas práticas de uso de
tecnologias educacionais.

Relação com provedores

• Comparação de soluções de TI para o ensino
superior, como das ferramantes antiplágio;

• Negociações conjuntas de preço de licenças;

• Acordo com provedores;

• Prospecção de soluções de TI para o ensino
superior;

• Elaboração e difusão de boas práticas para
a contratação de produtos e serviços.




Notícia publicada pela Revista Ensino Superior, no dia 29 de agosto de 2019, no endereço eletrônico https://revistaensinosuperior.com.br/colaboracao-tecnologia/


Restrito - Copyright © Edux Consultoria 2012 - Todos os direitos reservados