"Atraso no Brasil: formamos doutores, para formar doutores… que formam doutores"

Gazeta do Povo • 12 de julho de 2019

Por: Eleni Kronka, especial para a Gazeta do Povo
"Nos países economicamente bem-sucedidos, as pesquisas científicas estão em sintonia com o desenvolvimento econômico e o crescimento das empresas – que geram lucros e empregos. No Brasil, os cursos de pós-graduação, em geral, replicam pesquisas estrangeiras e vivem em “looping”: formam doutores, para formar doutores, que formam doutores... Enquanto isso, os problemas estruturais do país continuam sem solução.
Esse é o alerta de Silvio Meira, professor do Centro de Informática da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e da Escola de Direito do Rio Da FGV, e também empreendedor e idealizador do projeto Porto Digital, em Recife.
Em entrevista à Gazeta do Povo, ele faz críticas ao abismo que existe no Brasil entre as universidades e as empresas e aponta soluções.
Muitos doutores/pesquisadores nas universidades no Brasil trabalham em pesquisas que contribuem pouco para o desenvolvimento do país. Por que isso acontece?
Isso ocorre porque falta uma agenda que envolva o poder público, as universidades e as empresas para resolver os grandes problemas nacionais, como foi na época da Embrapa, da Embraer, ou da indústria bélica nacional, nas décadas de 1960 e 1970.
Na época da Embrapa, diante do grande desafio da seca no Semiárido, ou mesmo antes, no período 1950/60, havia a preocupação de formar gente dedicada ao estudo, por exemplo, de doenças tropicais e do controle dessas doenças por meio das vacinas desenvolvidas pelo Instituto Oswaldo Cruz. Nesse período de formação da Ciência Médica brasileira, o estudo sobre doenças tropicais esteve na vanguarda em todo o mundo, como é sabido.

Hoje podemos dizer que o Brasil está há 30 anos sem desafios. E mais ainda: o sistema entrou em looping, formamos doutores, para formar doutores, que formam doutores!

Quais são as consequências desse cenário?
O Brasil passou a consumir a linha de pesquisa da comunidade científica global! Batemos cabeça desde a década de 1990 nessa questão. Nas instituições de ensino no Brasil, a vasta maioria dos laboratórios existentes dá continuidade a pesquisas feitas por algum membro que as realizou em seu doutorado em instituições no exterior. Há laboratórios de Química, de Física, de Computação ou de Biologia que replicam, tal qual, a linha de pesquisa realizada em escolas internacionais.
Essa comunidade científica global tem programas estratégicos próprios de desenvolvimento de pesquisa e inovação e, consequentemente, de financiamento para empresas voltadas à criação de fármacos, de linhas de defensivos agrícolas, de veículos, de motores, de sistemas de computação, entre outros, mas sempre seguindo a agenda dos países de origem.
Há décadas não temos no Brasil uma articulação dos grandes desafios nacionais que precisam de insumos de ciências, tecnologia e inovação para que o Brasil aumente a sua competitividade.

Como fazer com que os pesquisadores contribuam para o desenvolvimento do país?
A primeira pergunta que deve ser feita é: o que o país quer fazer? Essa é a grande pergunta que o país precisa responder para depois estabelecer uma agenda e determinar políticas públicas de financiamento a pesquisas direcionadas.
E problemas a resolver não faltam. Um exemplo: a seca do Nordeste. Essa região vive em crise estrutural desde os tempos do Império. D. Pedro II foi o primeiro governante que a visitou e declarou, na seca de 1870, que era preciso buscar uma solução.
Como se resolve a seca do Nordeste? Não vai chover, pois o clima é semiárido. Então, a solução vem da tecnologia. É preciso um estudo abrangente, que detecte a vocação específica para determinados tipos de cultura, para se criar uma estratégia e uma economia de impacto e lucratividade. O estudo e as possíveis hipóteses poderiam ser levantadas por meio de pesquisas acadêmicas, com bolsas dos conhecidos órgãos financiadores.
Há bons exemplos nesse sentido.
Sim, Petrolina é um deles. Situada no semiárido, como outras cidades, Petrolina recebeu projetos na área de agricultura de frutas, com modificação nos processos de germinação, crescimento e adição de açúcar, com resultados palpáveis. A agricultura local tornou-se competitiva e exporta seus produtos para o mundo todo. Hoje, as frutas de Petrolina abastecem supermercados europeus.
O mesmo poderia se dar em outros desafios nacionais, empregando estudos desenvolvidos na esfera acadêmica.
Certamente! É possível considerar outras regiões, até mesmo aquelas sem o problema de seca estrutural, e implantar nelas propostas que vão otimizar os recursos locais. Se não prospectamos e não tentamos entender, não saberemos o que fazer!
O Brasil tem a maior costa contínua do mundo, com 8,5 mil quilômetros. A partir de Recife, são 500 quilômetros até Fernando de Noronha. E a partir daí, são mais 360 quilômetros até totalizar as 200 milhas brasileiras. São quase mil quilômetros de águas! O que pode começar a ser produzido de forma rentável e sustentável?
Enquanto estamos sentados fazendo nada, há pesqueiros chineses pescando em águas brasileiras. Poderíamos, no mínimo, exportar muito mais peixes para o mundo todo.
O que falta para mudar essa realidade e mercado e academia possam atuar em harmonia?
O grande problema do Brasil é a falta de estratégia. Estratégia é o que dá foco. É o que nos obrigada a fazer perguntas complicadas, sofisticadas e complexas. Estratégia nos obriga a estabelecer limite para ações com os recursos de que dispomos.
Não adianta dizer que o Brasil vai ter um programa espacial porque temos uma base espacial à altura da linha do Equador. Isso é irrelevante! Não adianta dizer que a biodiversidade da Amazônia é fantástica e temos que explorar. Não se explora simplesmente a biodiversidade. É preciso ir à Amazônia e descobrir, por exemplo, um determinado microssapo dotado de certa substância que, trabalhada em laboratório, possa dar origem a uma vacina. O passo seguinte seria sintetizar essa molécula em laboratório. Ou seja, se existe a biodiversidade, é preciso estudá-la e protegê-la.
Há uma ingenuidade no Brasil que identifica explorar com exterminar um recurso. Nós nos esquecemos do passado e da história. Quando Henry Ford montou, nos anos 1920, a “Fordlândia” no miolo da Amazônia, o magnata norte-americano queria produzir borracha para pneus a partir dos nossos seringais. Mas a hostilidade foi tal que o projeto parou. E as seringueiras foram transportadas para o Pacífico – Indonésia, Malásia, Tailândia, Filipinas. E o programa acabou.
Como está o Brasil no cenário internacional de produção científica?
O Brasil não é um competidor em Ciência e Tecnologia para nenhum país da União Europeia, nem para os Estados Unidos, nem para a China, nem para o Japão, nem para a Rússia. Esses países têm agendas muito mais sofisticadas e complexas e muito mais recursos para investir.
O Brasil compete com a Colômbia em determinados setores; com o Chile, no campo da pesquisa e tecnologia de minérios; com a África do Sul na produção de alguns vinhos; com a Malásia, que está muito à frente de nós no quesito inovação e ambiente de negócios. Compete com a Tailândia, Indonésia e Filipinas, países que são da nossa classe.
Há aqui alguns membros da comunidade científica que acreditam na competitividade com os Estados Unidos. Nos EUA, lançam-se projetos com 10 bilhões de dólares. Aqui os projetos têm 100 mil reais, o que é uma gota d’água no oceano.

O Brasil está entre os países com a maior produção de artigos acadêmicos. Se ele não é relevante, na prática, então, o que isso significa?
Temos um país do tamanho do Brasil que não tem nenhum plano para competir globalmente. O Brasil vai muito bem em publicação de papers. Mas a maioria dos papers não tem uma função econômica, não avança conhecimento: é só mais um paper, é produção em números.
A maior parte das grandes empresas globais que está no Brasil não depende da pesquisa aqui realizada para tornar-se competitiva. Ao mesmo tempo, poucas empresas brasileiras competem no mercado global, logo, precisam de conhecimento e inovação produzidos aqui para poder competir.
O resultado é que construímos uma infraestrutura de Ciência e Tecnologia em que contemplamos a formação de 25 mil doutores ao ano. Trata-se de um número gigantesco e superior ao do restante do mundo, dotado de competências humanas para as quais não existe demanda significativa.
Na Holanda, por exemplo, só 50% dos pesquisadores trabalham na universidade. Os demais doutores vão trabalhar em empresas e têm salário maior 50% ou 30% maior do que na universidade
É possível virar esse jogo?
Com o fomento da parceria dos programas de pós-graduação com o mercado, que não é algo simples no Brasil – é preciso mudar muita coisa.
Na Alemanha, por exemplo, o sistema de pós-graduação é casado com as empresas alemãs. Qual é o resultado disso? O maior balanço positivo de pagamentos do mundo é a da Alemanha, porque as empresas alemãs não fazem nada para o mercado alemão, que tem 60 milhões de habitantes, elas exportam tudo. Nem cerveja. Em contrapartida, os valores do protecionismo no Brasil saltam aos olhos, empresas sem pesquisa, sem doutores, que não conseguem competir globalmente.
A quem cabe dar o novo direcionamento?
Sabemos que não é o Estado que deve dizer o que é para fazer, porque não é o Estado que compete no segmento de software, nem de fármacos, alimentício ou de aeronaves. Mas cabe ao Estado estabelecer e articular a estratégia. Se ele, Estado, investir nas condições prévias necessárias para a competitividade, a iniciativa privada faz todo o resto e o país anda".





Notícia publicada pelo Gazeta do Povo, às 10h49, no dia 9 de julho de 2019, no endereço eletrônico https://www.gazetadopovo.com.br/educacao/doutores-nao-contribuem-para-o-desenvolvimento-do-pais/


Restrito - Copyright © Edux Consultoria 2012 - Todos os direitos reservados