Memória, esquecimento e inteligência

ABMES • 22 de março de 2019

Por: Ronaldo Mota

É bastante comum associarmos inteligência a termos excelente memória. Ou seja, quanto mais detalhes soubermos e por mais tempo recordarmos de eventos passados, em geral, costumamos achar melhor. No entanto, avanços recentes da ciência nos obrigam a, no mínimo, repensar tais associações.

Paul Frankland e Blake Richards, pesquisadores da Universidade de Toronto, destacam em um artigo recente na revista Neuron (vol. 94, 6, pag. 1071, 2017) a importância de saber esquecer, tão relevante, segundo eles, como lembrar. De fato, eles evidenciam que é a interação entre memória e esquecimento que propicia as adequadas condições para a tomada de decisões inteligentes.

Estudos sobre a memória tendem a estar focados nos mecanismos celulares envolvidos na estocagem de informação, fenômeno conhecido como persistência. Há um outro processo, igualmente importante e distinto, responsável pela perda da memória, denominado transiência. Os trabalhos de Frankland e Richards mostram que a produção de novos neurônios na regiāo do cérebro conhecida como hipocampo está associada à promoção do esquecimento. Sendo esta produção mais ativa em crianças, talvez ajude a explicar por que adultos, em geral, têm dificuldades em lembrar de fatos ocorridos antes de terem, aproximadamente, quatro anos.

Baseado nos princípios de aprendizagem de máquinas e de neurociência computacional, há um interessante paralelo entre os mecanismos neurobiológicos e computacionais. Memória permite a transmissão de informação ao longo do tempo. Esquecimento, por sua vez, aumenta a flexibilidade, à medida que reduz a influência de informações desatualizadas ou desnecessárias no processo de tomada de decisões ou de consolidação da aprendizagem. Saber esquecer evita superdimensionar eventos específicos no envio e na recepção de dados e assim conseguimos generalizar, entender contextos, realizar adaptações e desenvolver sínteses, a partir das experiências passadas.

Há interessantes relatos de pacientes com surpreendentes capacidades de memorizar todos os detalhes e demonstrando, por outro lado, grandes dificuldades na vida real, tanto em tomar decisões, adaptar-se às novas situações ou mesmo de aprender. Desprovidos da capacidade de esquecer, a realização de sínteses fica fragilizada e a compreensão dos contextos praticamente impedida pe!a profusão de detalhes não hierarquizadas em suas respectivas relevâncias.

Educacionalmente, o desempenho na aprendizagem está associado à capacidade do educando em conjugar essas duas dinâmicas, memória e esquecimento, aprendendo ao mesmo tempo que libera espaços para aprender mais e melhor. Essa estratégia, combinando persistência/transiência, viabiliza aprender a aprender continuamente ao longo de toda a vida.

No processo de ensino de conteúdos específicos, a aprendizagem demanda estar acompanhada da ampliação do nível de consciência do educando acerca de como ele aprende. Amplificar a percepção sobre o seu próprio processo de aprendizagem é a trilha educacional que permite a seleção adequada e consciente do que reter e do que dispensar.

A partir de sínteses consecutivas das realidades vivenciadas ou dos conteúdos ensinados, desenvolve-se a capacidade de tomar decisões e de ter sucesso em missões e projetos. Neste sentido, educação, parafraseando Albert Einstein, é aquilo que permanece quando esquecemos o que nos foi ensinado.








Notícia publicada pelo blog da ABMES, no dia 20 de março de 2019, no endereço eletrônico https://blog.abmes.org.br/?p=15166


Restrito - Copyright © Edux Consultoria 2012 - Todos os direitos reservados