Voz, revolução em curso

ABMES • 28 de fevereiro de 2019

Por: Ronaldo Mota

Em Londres, no mês passado, tive a oportunidade de jantar com o amigo Patrick Towell, um dos inovadores britânicos mais bem atualizados sobre tecnologias digitais. Perguntei de forma direta: “em poucas palavras, qual inovação impactará o mundo da educação no cenário próximo?”. Ele, imediatamente, respondeu com uma só palavra: “voz”. A curto prazo, todas as instituições educacionais competitivas terão adotado assistentes virtuais baseados em voz que se tornarão suas correspondentes marcas registradas. Serão também, segundo ele, suas principais interfaces de comunicação com os educandos e com o resto do mundo.

Assistente de voz é uma ferramenta digital que, fazendo uso de reconhecimento de comandos sonoros, desenvolve uma síntese de fala, via processamento de linguagem natural. Os incríveis avanços recentes de inteligência artificial têm propiciado assistentes de voz que mudarão nosso cotidiano com velocidade espantosa, incluindo os meios e métodos que adotamos para aprender, ensinar e se relacionar no mundo educacional. “Siri” da Apple foi o primeiro assistente virtual incorporando voz, por ocasião do lançamento do iPhone 4s em outubro de 2011. Em seguida, floresceram outros dispositivos falantes, tais como os bem sucedidos “Alexa” da Amazon, o “Cortana” da Microsoft e o “Bixby” da Samsung. Todos eles fazendo uso de computação na nuvem e incorporando os demais avanços tecnológicos desta década.

Historicamente, muito se deve à revolucionária ferramenta “shoebox”, apresentada pela IBM na Feira Mundial de Seattle, em 1962. Do tamanho de uma caixa de sapato, ela era capaz de reconhecer 16 palavras faladas. Em 1970, a Universidade Carnegie Mellon/Pennsylvania apresentou ferramenta similar, o “Harpy”, capaz de reconhecer incríveis 1.011 palavras, o que corresponde, aproximadamente, ao vocabulário de uma criança de 3 anos de idade. Ao longo das décadas seguintes, muitas novidades surgiram, mas o advento dos celulares inteligentes e os avanços da internet abriram novos e, até então, inimagináveis horizontes.

Em 2018, nos Estados Unidos, em torno de 20% dos adultos fizeram uso dessa tecnologia em suas tarefas do dia a dia. Talvez seja, isoladamente, a inovação que mais avance em direção à universalização de seu uso doméstico nos próximos anos. As utilizações mais frequentes têm sido: responder dúvidas via procuradores, comandos de música e controle de outros aplicativos, previsão do tempo, agenda, incluindo alarme e calendário, notícias, jogos, trânsito, comunicação personalizada, compras etc.

Entre vários pioneiros no uso educacional de assistentes virtuais baseados em voz, destaco a “Georgia Tech”, sediada em Atlanta. “Jill Watson” é o primeiro professor assistente totalmente virtual , no caso baseado em inteligência artificial ancorado na plataforma “Watson” da IBM. Os números ainda são preliminares, mas, no ano passado, o índice de acerto da “Jill” nas questões associadas aos cursos ministrados aos alunos foi de 97%, percentual pouco provável ser atingido por correspondentes humanos. Além disso, trabalha-se arduamente nas respostas erradas em direção ao atingimento, improvável, de 100% de acerto, ao mesmo tempo que a “Jill” vai muito além de ser uma simples docente virtual. De fato, ela se transforma, gradativamente, em uma ilimitada e permanente “personal friend” de cada aluno da instituição.

Em suma, no mundo da aprendizagem baseada em tecnologias digitais, teremos novidades, oportunidades e, certamente, muitos riscos a enfrentarmos adiante. Mesmo para quem, justificadamente, desconfia desses avanços, é recomendável ficar atento e acompanhar sem preconceitos essas evoluções em curso. Mesmo porque, em geral, elas não costumam depender de nossa aprovação ou consentimento para serem adotadas pelos mais jovens e pelas crianças.













Notícia publicada pelo blog da ABMES, no dia 28 de fevereiro de 2019, no endereço eletrônico https://blog.abmes.org.br/?p=15061


Restrito - Copyright © Edux Consultoria 2012 - Todos os direitos reservados