Concentração em um mundo dispersivo: trabalhos rasos e profundos

ABMES • 09 de janeiro de 2019

Por: Ronaldo Mota

Jamais vivenciamos antes os ambientes dispersivos que caracterizam as sociedades contemporâneas. Tampouco havíamos experimentado os níveis de radicalidade e rapidez das mudanças em curso nos tempos atuais. O mundo do trabalho e de novas oportunidades em negócios nunca tiveram natureza tão complexa. Progressivamente, teremos que desenvolver tarefas imersos em ambientes altamente propensos à dispersão. Aprender a lidar com isso se constitui em tarefa educacional inédita.

Elementos do processo de aprendizagem que antes eram predominantes, incluindo memória, domínios simples de técnicas e procedimentos, disciplina e capacidade de desenvolver rotinas e missões predeterminadas, passam a ser irrelevantes, em alguns casos, ou insuficientes, em outros. Por sua vez, itens que costumavam ser desprezados ou sequer considerados, a exemplo de ênfase na capacidade de foco, autoconhecimento acerca de como se aprende, habilidade de trabalhar em equipe e facilidade de adaptação a novos contextos e desafios, passam a ser centrais e estratégicos. O primeiro grupo de características, acima descritas, se refere às demandas educacionais associadas aos chamados “trabalhos rasos”, e o segundo grupo aos, assim denominados, “trabalhos profundos”, de acordo com a terminologia adotada por Carl Newport, autor do livro Deep work, 2016.

Há inúmeras tarefas que não demandam foco e não envolvem processos cognitivos mais complexos, podendo ser desenvolvidos em ambientes de baixa concentração. Parte dos ofícios que mais prosperaram no século XX tinha essas marcas. As profissões associadas a tais tarefas não terão espaços no futuro que já começou. Ou seja, tudo que se assemelhar a rotina e que possa ser facilmente replicado, sujeito a algoritmos simples, tem seus dias contados. Imersos no universo de inteligência artificial e de máquinas que aprendem, os empregos e atividades atuais serão ainda mais afetados e o processo será muito rápido, extremamente dolorido e, por certo, irreversível.

O conflito não está em adotar ou não tecnologias inovadoras, especialmente as digitais. Trata-se sim de como utilizá-las sem perder o foco, até mesmo porque são os ambientes virtuais a maior fonte das citadas distrações. A capacidade de realizar atividades que demandam efetiva concentração está rareando, exatamente quando essa característica se torna mais valorizada. Quem cultivar a habilidade de manter o foco adequado, por certo, saberá enfrentar os novos desafios, com sucesso, e será largamente recompensado por isso. Aqueles incapazes de manter a devida concentração pagarão alto preço, seja trabalhando em setores menos valorizados ou convivendo com o desemprego.

Sobre como educar nesta inédita realidade, não há receitas simples, tampouco que funcionem sempre. Caminhamos em direção a uma educação personalizada, customizada às peculiaridades de cada educando e às características específicas do contexto educacional. As tecnologias digitais permitem, em tese, conhecer mais sobre o aluno e o ambiente de aprendizagem, contribuindo em propiciar trilhas de aprendizagem apropriadas a cada condição e para cada propósito específico.

Cognição, de forma geral e simplificada, diz respeito aos processos associados à aquisição de conhecimentos. Metacognição se refere àquilo que transcende a cognição, onde tão importante quanto o que foi conhecido é a reflexão, por parte do educando, sobre a própria aprendizagem. Ou seja, a prática consciente do aprender a aprender, despertando a percepção do aprendiz acerca de como se aprende. Ao se priorizar a metacognição, a importância da concentração, durante o processo de aprendizagem, se evidencia como essencial. Em outras palavras, se a cognição foi suficiente para os ofícios rasos, a metacognição, complementarmente, é indispensável na preparação do profissional contemporâneo para os trabalhos profundos.












Notícícia publicada pelo blog da ABMES, no dia 09 d e janeiro de 2018, no endereço eletrônico https://blog.abmes.org.br/?p=14826


Restrito - Copyright © Edux Consultoria 2012 - Todos os direitos reservados