Resultado do Enade é antecipado e revela que instituições federais superaram as particulares

MEC • 04 de setembro de 2017


O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) divulgou, nesta sexta-feira, 1º de setembro, em coletiva de imprensa, os resultados do Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade) 2016. O exame é realizado para aferir o desempenho dos estudantes em relação a conhecimentos, competências e habilidades desenvolvidas ao longo do curso de graduação. No total, 195.757 inscritos fizeram a prova e 4,3 mil cursos foram avaliados.

Segundo a presidente do Inep, Maria Inês Fini, a instituição fez melhorias na forma de divulgação dos dados referentes a 2016 e, pela primeira vez, antecipou o resultado – que anteriormente só era tornado público após a realização do exame. “Mesmo sendo o maior Enade já realizado, tanto em número de cursos quanto de participantes, estamos divulgando os resultados antes do prazo previsto, o que demonstra a responsabilidade e o profissionalismo das equipes de logística e pedagogia do nosso órgão”, afirmou Maria Inês Fini.

Para Maria Inês, o desempenho dos estudantes precisa melhorar. A maior parte dos inscritos alcançou resultado mediano nos conceitos avaliados no exame. “Em relação ao conceito do exame, a maioria está em torno do conceito médio, regular. Isso é um indicador de que precisamos de um empenho e de um esforço muito maior para prover educação de qualidade”, finalizou.


(Foto: Mec)


Ainda sobre os dados revelados, os indicadores de qualidade da educação superior demonstraram que o desempenho das universidades federais foi melhor que o da rede privada, numa escala crescente de 1 a 5. As federais tiveram 43% das instituições com conceito 4 e 16% com o conceito 5. Enquanto isso, nas particulares, os percentuais foram, respectivamente de 19% e 3%.

Na ocasião, também foram anunciados outros dois indicadores: o conceito Enade e o indicador de diferença entre os desempenhos observado e esperado (IDD). São informações detalhadas a respeito da composição das provas, do desempenho e do perfil dos estudantes, da distribuição dos cursos no país, além de uma visão sobre o desempenho das instituições brasileiras no Enade.

Para o secretário de Regulação e Supervisão da Educação Superior do Ministério da Educação, Henrique Sartori, os indicadores possibilitam que o MEC aplique as questões regulatórias, de acompanhamento e avaliação dos cursos e instituições que devem prezar por uma educação de qualidade em todo o país. “Se a nota é alta, consequentemente, o conceito vai crescer. Se a nota é baixa, ou há uma queda nesse desempenho, possivelmente você poderá ser atingido. E ao passo que isso ocorra, a Seres toma cuidado, chama a instituição para um ajuste e começa a aplicar medidas de supervisão, de for o caso”, explicou Sartori.

A partir de novembro, o Governo Federal deve divulgar outros dois índices que tomam a prova do Enade como base, que são o conceito preliminar do curso (CPC) e índice geral de cursos (IGC). Eles ainda estão em processamento e vão incluir, além do desempenho dos alunos, questões como corpo docente, infraestrutura, recursos didático-pedagógicos e ainda a avaliação dos cursos de pós-graduação de cada instituição junto à Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes).



(Foto: Luís Fontes/MEC)
A presidente do INEP, Maria Inês Fini, destacou o sucesso do exame, mas avaliou que o desempenho dos estudantes precisa melhorar


Foram avaliados os concluintes de cursos das áreas de agronomia, biomedicina, educação física, enfermagem, farmácia, fisioterapia, fonoaudiologia, medicina, medicina veterinária, nutrição, odontologia, serviço social e zootecnia. No grau de tecnólogo, o exame foi destinado a concluintes de agronegócio, estética e cosmética, gestão ambiental, gestão hospitalar e radiologia.

A prova é composta por 40 questões, divididas em duas partes: formação geral (FG) e componente específico (CE). A primeira tem 10 questões, sendo oito de múltipla escolha e duas discursivas, que contempla temas como sociodiversidade, biodiversidade, globalização, cidadania e problemas contemporâneos. Essas perguntas equivalem a 25% da nota do exame. A segunda visa aferir as competências, habilidades e o domínio de conhecimentos necessários para o exercício da profissão e é composta por 30 questões, sendo 27 de múltipla escolha e três discursivas, o que equivale a 75% da nota.

Exame – O Enade, realizado pelo Inep, é um dos componentes curriculares obrigatórios dos cursos de graduação. Fazem parte do Enade a prova para avaliação individual de desempenho e o questionário do estudante. Devem ser inscritos os estudantes de graduação ingressantes e concluintes dos cursos avaliados na edição, bem como estudantes irregulares. No histórico escolar, ficará registrada a situação de regularidade em relação à obrigação de participação do Enade.

Números – Nessa edição, o total de estudantes concluintes regulares e que foram inscritos totalizou 216.064, sendo que 195.757 realizaram a prova. O Enade foi aplicado em todas as unidades da Federação, distribuído em 942 municípios, com 1.009 locais de prova e 7.388 de salas. No total, foram avaliados 4.300 cursos, com 997 instituições de ensino superior e as áreas de avaliação somaram 18.

Perfil – O questionário do estudante é um dos instrumentos de coleta de informações do Enade, de caráter obrigatório, que tem por objetivo subsidiar a construção do perfil socioeconômico do estudante e obter a percepção quanto ao seu processo formativo. Com base no exame realizado no ano passado, entre os estudantes concluintes regulares 46,9% são jovens de até 25 anos e 54,6% vivem com os pais.

Em relação às características predominantes: 51,7% são da cor branca e 36,1% são pardos; 74,4% são solteiros; 47,6% têm renda familiar mensal de 1,5 a 4,5 salários mínimos. Em relação ao mercado de trabalho: 54,4% não estão trabalhando e 42,8% dedicam de uma a três horas de estudos por semana. Em relação à bolsa de estudos e financiamentos, 36,5% do total receberam financiamento do Programa Universidade para Todos (ProUni) ou Fundo de Financiamento Estudantil (Fies). Dos estudantes que receberam financiamento do ProUni ou Fies: 62,6% têm renda familiar de até três salários mínimos; 61,5% são os primeiros da família com acesso à educação superior e 29,6% ingressaram por meio de políticas afirmativas.

O resultado completo do Enade 2016 está disponível na página eletrônica do Inep.

Assessoria de Comunicação Social




Notícia publicada pelo portal MEC, às 16h38 do dia 01/09/2017, no endereço eletrônico http://portal.mec.gov.br/component/content/index.php?option=com_content&view=article&id=54031%3Ainep-antecipa-resultado-do-enade-e-desempenho-das-instituicoes-federais-supera-o-das-particulares&catid=212&Itemid=86


Restrito - Copyright © Edux Consultoria 2012 - Todos os direitos reservados