O que explica o sucesso das redes de colaboração

Revista Ensino Superior • 13 de janeiro de 2020

Consórcios para fortalecer o ensino superior se sustentam há anos em países como os EUA

Muitas instituições de ensino superior estão unindo forças para garantir sua sustentabilidade, compartilhar investimentos e se aperfeiçoar. Nos Estados Unidos há consórcios desse tipo há décadas, como o Five Colleges, criado em 1914. Eles se sustentam e têm dado certo graças ao compromisso de seus líderes, informa Fábio Reis, diretor de Inovação Acadêmica e Redes de Cooperação do Semesp.

Presente na Conferência Anual da Association for Collaborative Leadership (ACL), que tem o Semesp como único associado da América Latina e Caribe, o especialista conta que os dirigentes das instituições têm um elevado grau de comprometimento, contribuindo efetivamente com os grupos de trabalho. A governança é outro aspecto de destaque.

Além de terem funcionários dedicados exclusivamente ao consórcio, os reitores participam dos conselhos administrativos, investem em tempo de planejamento estratégico e possuem um calendário de reunião e ações. “Ficou evidente que, sem um plano de atuação, nossas Redes não conseguirão atingir resultados mais plausíveis e relevantes para cada uma das instituições. Sem um plano, haverá bons resultados, mas serão mais lentos e exigirão mais empenho”, comentou Reis ao se referir ao projeto Redes de Cooperação, criado pelo Semesp há três anos.

Foto: Shutterstock






Notícia publicada pela Revista Ensino Superior, no dia 11 de janeiro de 2020, no endereço eletrônico https://revistaensinosuperior.com.br/redes-colaboracao-ensino-superior/


Restrito - Copyright © Edux Consultoria 2012 - Todos os direitos reservados